Agbook

O processo de gestação e parto de 21 anos de ditadura militar no Brasil

Esta página foi vista 1574 vezes desde 17/12/2013

Volume 1

Por: Nilson Nobuaki Yamauti

Goulart havia montado uma base de apoio militar e sindical muito poderosa. Os próprios golpistas sabiam que não teriam chances num enfrentamento direto com a base de apoio do presidente. Por isso, buscaram apoio da imprensa e de setores da sociedade, da Igreja e das Forças Armadas para tentar corroer a legitimidade do governo.

A rebelião dos marinheiros ocorrida entre 25 e 27 de março modificou toda a situação. O presidente teve a sua base de apoio militar destruída após demitir o ministro da Marinha e anistiar os marinheiros insubordinados. Estes tinham promovido a rebelião para protestar contra algumas decisões do ministro Silvio Frota. A decisão do presidente deixou quase todos os oficiais das Forças Armadas indignados. Goulart tinha atentado contra os princípios da hierarquia e da disciplina que sustentavam a corporação militar.

O governo norte-americano vinha apoiando os conspiradores que pretendiam derrubar Goulart. Apoiado por comunistas e sindicalistas, o presidente prejudicava os interesses dos Estados Unidos no Brasil tomando decisões de cunho nacionalista e popular. No dia 31 de março de 1964, o governo Lyndon Johnson decidiu enviar uma força tarefa para o Brasil com a finalidade de dar apoio militar aos conspiradores.

Quando essa informação chegou ao Brasil, os conspiradores conquistaram o apoio dos oficiais das Forças Armadas que continuavam indecisos mesmo indignados com o chefe do governo. Assim, o movimento militar que tinha sido desencadeado pelo general Mourão Filho ganhou a força de um tsunami.

Goulart resolveu não resistir ao golpe. Queria adotar a mesma estratégia de Vargas em 1945: aceitar a deposição e retornar ao poder candidatando-se nas próximas eleições presidenciais para retornar ao poder nos braços do povo.

Pela primeira vez na história da República, os militares decidiram não devolver o poder aos civis. Goulart exilou-se no Uruguai e nunca pôde retornar ao Brasil. Os militares decidiram assumir o poder para estabelecer a ordem e para implementar um projeto de construção da nação que eles julgaram o mais adequado para o Brasil.

Impresso
R$ 49,05

Tema: Ciência Política, Ciências Humanas E Sociais, Geografia E Historia, História & Teoria, Política Econômica, Relações Internacionais Palavras-chave: 64, aborto, de, ditadura, estado, golpe, goulart, governo, joão, nação, uma

Características

Número de páginas: 440
Edição: 1(2014)
Formato: A5 148x210
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.