Agbook

Santa Rita, Sua História, Sua Gente

Por: Francisco de Paula Melo Aguiar

Em lendo “Santa Rita, Sua História, Sua Gente”, de autoria do historiador Francisco de Paula Melo Aguiar, o leitor tem uma visão geral da historiografia santaritense a começar pelo século XVI, com a fundação de Forte Velho em 1584, do lado oposto da fundação de Filipeia de Nossa Senhora das Neves, em 5 de agosto de 1585, futura Capital da Capitania da Paraíba, da construção do Forte de São Sebastião, do Engenho Tibiri e da Capela de Nossa Senhora do Rosário em 1586, nas imediações do forte do referido engenho, valendo salientar de que a população a chama de “capela de São Sebastião”. Assim sendo, com linguagem simples, porém contextualizada, retrata a história municipal, envolvendo os períodos: colonial, imperial e republicano até os dias atuais. E além do mais retrata o homem: indígena, branco, escravo, livre, desempregado, empregado e empregador, tendo em vista que o santaritense, natural e/ou naturalizado é um povo de força, que vive do trabalho, do suor de seu rosto, algo que nunca seca, seja plantando e/ou cortando cana de açúcar, seja plantando e/ou colhendo abacaxi, mandioca, coco, pegando caranguejo na maré existente no estuário do Rio Paraíba, assim sendo, nossa gente pertence a todas as classes sociais do desempregado, do assalariado ao industrial. Santa Rita é porta de entrada e de saída de João Pessoa para o sertão. Somos a terra rainha dos canaviais, das águas minerais, da cerâmica, dentre outras atividades, principalmente agroindustrial. Aqui nasceu o solo paraibano que serviu de berço a grandes figuras de nossa história municipal, estadual e do Brasil, onde podemos destacar André Vidal de Negreiros, nascido no Engenho São João, na Capitania da Paraíba, portanto em terras do atual município de Santa Rita, herói nacional desde o século XVII, pelo fato de comandar a expulsão dos holandeses da Paraíba, do Rio Grande do Norte e de Pernambuco, ex-vi que “[...] depois de ter conferenciado com o inimigo, fazendo todos os esforços para incluir no tratado de paz a terra do seu berço, a Parahyba, assigna o tratado de 1654, pelo qual os hollandezes enteregaram a praça do Recife com todas as suas defensas, as capitanias de Itamaracá, Rio Grande e Parahyba [...]”, segundo Moreira de Azevedo. (1861). Terra de gente firme e trabalhadora dos engenhos, da primeira fábrica de tecido da Paraíba e das modernas indústrias aqui existentes. O trabalho dessa gente é a força e/ou o sonho que alimenta sua esperança que nunca seca. Enfatiza a diversidade de pensamento da política local desde 19 de março de 1890 aos dias atuais.

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 77,33

Ebook (PDF)
R$ 11,84

Tema: Ciências Humanas E Sociais, Geografia E Historia, Literatura Nacional Palavras-chave: geografia, história, paraíba, rita, santa

Características

Número de páginas: 638
Edição: 2(2016)
Formato: A4 210x297
ISBN: 978-85-92861-52-0
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.



Personalizar acabamento
Para comprar cópias com opções de acabamento diferentes entre si, é necessário adicionar uma versão de cada vez ao carrinho.

Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.