Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

PERSPECTIVA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Esta página foi vista 293 vezes desde 18/09/2019

contribuições da educação científica e Biologia para a melhoria da qualidade de vida

Por: Ana Paula Gomes Soares; Daniel Delgado Queissada; Vanessa Cruz dos Santos., 2019.

Diversas mudanças ambientais vêm ocorrendo na sociedade oriundas da globalização, percebendo assima necessidade de serem trabalhadas essas mudanças vem ocorrendo então diversas conferências mundiais a respeito do desenvolvimento sustentável (DS), tais como Estocolmo em 1972, Eco-92, Rio+10, Rio+20 e as COPs Conferências das Partes, onde abordam temas a respeito desses problemas na tentativa de propor melhorias através da aprovação de diretrizes e metas, visando o DS (VASCONCELOS; CONCEIÇÃO; FREITAS, 2012). No conceito DS ainda há muito a ser discutido e trabalhado, pois em alguns casos pode soar contraditório para muitos ainda, pois une os termos “desenvolvimento” e “sustentabilidade” e não possui de fato um conceito concreto, porém em sua essência de acordo com Romeiro (2012) a Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento em 1991 definiu o tema como, a procura da sociedade atender os déficits e aspirações da atualidade de forma que não comprometa a geração futura de satisfazer as suas próprias.

De acordo com os autores Brasil (1997); Mattos (2008); Piga; Mansano (2015), os problemas ambientais passaram a ganhar maior notoriedade, há movimentos ambientalistas, e desde a implantação da educação ambiental na legislação, o tema vem tomando proporções maiores, sendo discutido em congressos e conferências como os eventos supracitados, e as leis começaram a ser aprovadas a respeito da educação ambiental, alguns países começaram a se mobilizar frente as questões ambientais.

Somente em 1987 de acordo com Cmmad (1991); Moura (2012); Severo; Guimarães (2014) o termo DS foi criado no relatório de Brundtland, pela Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e o desenvolvimento (CMMAD), sendo marcado como um dos principais relatórios, objetivando possibilitar maior conservação e uso racional dos recursos naturais, permitindo um crescimento racional com mudanças de qualidade e maior satisfação das necessidades essenciais como energia, água, emprego, saneamento básico, alimento e garantia de um nível sustentável da população. De acordo com Brasil (1997) faz-se necessário também a busca por ideias inovadoras e alternativas de minimização da exploração dos recursos naturais a partir de projetos coletivos, mobilização de alunos na escola através de práticas sustentáveis, bem como a divulgação do conhecimento científico a respeito da sustentabilidade como um eixo transversal

para ser trabalhado em sala de aula de forma que permita maior sensibilização dos alunos visualizando, compreendendo e procurando desenvolver possíveis soluções a respeito dos problemas relacionadas as necessidades essenciais citada anteriormente. Assim há necessidade de integrar mais a sociedade sobre esse assunto, e é de fato necessária a preocupação e a sensibilização da mesma frente ao DS, através da inserção da educação científica (FOUREZ, 1995; MOURA, 2012). Sendo necessário assim, se atentar para a necessidade de cuidar do bem estar social, econômico e ambiental, para que seja adquiridas condições de vida adequada à sociedade a partir do exercício da cidadania, tendo como base um maior acesso a informação relacionando a ciência e sociedade de maneira que tenha ao menos garantia de que as necessidades básicas sejam adquiridas (VEIGA, 2005; OLIVEIRA, 2013).

Há algum tempo vem-se discutindo a respeito da questão ambiental no Brasil bem como, sobre a relevância da educação científica para melhoria na qualidade de vida, essa qualidade é marcada por inúmeras definições, incluindo fatores relacionados à saúde, bem-estar físico e emocional, porém estão ligadas diretamente se as condições sociais e econômicas estão sendo atendidas por meio das políticas publicas, permitindo a satisfação

ou não da sociedade, visando à educação como ponto de partida para qualquer mudança social (BRASIL, 1997; ROITMAN, 2007; PEREIRA; TEIXEIRA; SANTOS, 2012; GUSMÃO, 2015).

É importante destacar a relevância da educação científica para a população,a ampliação da percepção sobre a própria qualidade de vida e possuem maior criticidade a partir do conhecimento a cerca de suas ações no meio ambiente, tornando os indivíduos mais críticos, informados e assim, mais capacitados para resolver os problemas presentes na sociedade. Para atingir essa almejada qualidade de vida é necessário o acesso a informação, esse vai assim desde o saber ler e interpretar um rótulo de embalagens, a compreender o motivo de necessitar manter hábitos saudáveis de higiene, até a lutar e exigir por seus direitos como cidadão dentro de uma sociedade (WERTHEIN; CUNHA, 2005; DEMO, 2010; OLIVEIRA, 2013).

Partindo desse pressuposto, o sujeito passa a ser pensante e atuante nas decisões da sociedade e das suas próprias, isso faz com que, a partir do momento que o indivíduo conhece a proposta do DS, passe a entender melhor o contexto e a gravidade dos problemas relacionados ao meio ambiente compreendendo que a relação não é estritamente ambiental, mas também socioeconômica (ROMEIRO, 2012). Dessa forma percebe-se a falta de informação como um dos principais problemas atualmente, pois a sociedade

continua assim a sofrer com problemas como a fome, a crise, violência, a desigualdade social, onde está ligado diretamente com o agravo na saúde da população, entre outras questões que podem ser amenizadas se a sociedade passar a ter um maior acesso a esse conhecimento de qualidade através da educação científica (SEN, 2010; ALMEIDA; JESUS, 2013).

A educação científica vem então a ser um ponto crucial, a qual permite levar um conhecimento mais sólido e preciso para a sociedade, permitindo alfabetizá-la cientificamente, nesse sentido possibilitando maior acesso a informações relevantes passando a ter um pensamento crítico e inteira capacidade de realizar mudanças significativas frente a tomadas de decisões conscientes, sobre assuntos que envolvam o DS e outros temas relevantes dos contextos, tanto social, como econômico, político e ambiental (VASCONCELOS; CONCEIÇÃO; FREITAS, 2012; CAMARGO, 2013).

Dessa maneira, é possível afirmar que é necessário educar cientificamente em sentido amplo, para que os indivíduos sejam portadores de uma formação que possa instrumentalizá-los ao longo de sua vida, adquirindo uma postura autônoma, consoante com os anseios da sociedade, permitindo uma elevação na qualidade de vida. Contudo, para isso, a educação científica precisa abranger todos os níveis e modalidades de ensino, sendo este um

requisito da democracia e do DS (DEMO, 2010; AMOEDO; MELO; MODA; TERÁN; SOUZA, 2016).

Todos esses argumentos mostram a importância deste estudo a respeito da relação entre o DS e a educação científica, ambas promovendo a da melhoria da qualidade de vida, através do maior acesso a informação levando responsabilidade para com o futuro ambientalmente sadio do mundo e das pessoas (VEIGA, 2005; MOURA, 2012).

Assim é de extrema importância analisar o contexto histórico a cerca do DS, para uma melhor compreensão sobre o mesmo, assim como, sobre a contribuição da educação científica para a sociedade. Nessa perspectiva, esse trabalho tem como principal objetivo analisar como o DS, através da educação científica, permite uma melhoria na qualidade de vida da sociedade como um todo.

Segue ainda com os objetivos específicos de analisar as pesquisas brasileiras de 1997 a 2017 sobre DS, descrever as principais legislações vigentes no Brasil criadas para garantir o DS, identificar os marcos históricos a partir dessa análise bibliográfica, entender conceitos a respeito da educação científica e do DS, e analisar a relação entre ambos, compreender a importância de trabalhar a educação científica no âmbito social, cultural e

biológico, compreendendo a interação entre meio ambiente e a qualidade de vida.

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 49,50

Ebook (PDF)
R$ 27,98

Tema: Química, Educação, Ciências Biológicas, Ciência Palavras-chave: biologia, bioquímica, ciência, ciências, da, e, ensino:, estudo, i, sustentabilidade, vida

Características

Número de páginas: 88
Edição: 1(2019)
Formato: A4 210x297
ISBN: 978-85-569-7881-3
Acabamento: Brochura s/ orelha
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.



Personalizar acabamento
Para comprar cópias com opções de acabamento diferentes entre si, é necessário adicionar uma versão de cada vez ao carrinho.

Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.