Agbook

AS HISTÓRIAS QUE NÃO TE CONTEI

POEMAS

Por: MARCOS AVELINO MARTINS

71ª obra do autor dos seguintes livros, todos eles publicados no Clube de Autores e na Amazon:

1. OS OCEANOS ENTRE NÓS

2. PÁSSARO APEDREJADO

3. CABRÁLIA

4. NUNCA TE VI, MAS NUNCA TE ESQUECI

5. SOB O OLHAR DE NETUNO

6. O TEMPO QUE SE FOI DE REPENTE

7. MEMÓRIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO

8. ATÉ A ÚLTIMA GOTA DE SANGUE

9. EROTIQUE

10. NÃO ME LEMBREI DE ESQUECER DE VOCÊ

11. ATÉ QUE A ÚLTIMA ESTRELA SE APAGUE

12. EROTIQUE 2

13. A CHUVA QUE A NOITE NÃO VIU

14. A IMENSIDÃO DE SUA AUSÊNCIA

15. SIMÉTRICAS – 200 SONETOS (OU COISA PARECIDA) DE AMOR (OU COISA PARECIDA)

16. AS VEREDAS ONDE O MEU OLHAR SE PERDEU

17. A MAGIA QUE SE DESFEZ NA NOITE

18. QUAL É O SEGREDO PARA VIVER SEM VOCÊ?

19. OS TRAÇOS DE VOCÊ

20. STRADIVARIUS

21. OS SEGREDOS QUE ESCONDES NO OLHAR

22. ATÉ SECAREM AS ÚLTIMAS LÁGRIMAS

23. EROTIQUE 3

24. OS POEMAS QUE JAMAIS ESCREVI

25. TUA AUSÊNCIA, QUE ME DÓI TANTO

26. OS DRAGÕES QUE NOS SEPARAM

27. O VENTO QUE NA JANELA SOPRAVA

28. EROTIQUE 4

29. A NOITE QUE NÃO TERMINOU NUNCA MAIS

30. AS HORAS QUE FALTAM PARA TE VER

31. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (1ª PARTE)

32. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (2ª PARTE)

33. NO AR RAREFEITO DAS MONTANHAS

34. VOCÊ SE FOI, MAS ESTÁ AQUI

35. O AMOR QUE SE FOI E NÃO VOLTOU

36. OS VÉUS DA NOITE

37. OLYMPUS: LIVRO II - ARES, ARTHEMIS, ATHENA, CHRONOS, HADES, MORPHEUS E POSEIDON

38. MADRUGADAS DE SEDUÇÃO

39. O LUAR QUE EM TEUS OLHOS HABITA

40. QUANDO SUA AUSÊNCIA ERA TUDO QUE HAVIA (contos e crônicas)

41. ESSA SAUDADE QUE NÃO QUER IR EMBORA

42. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (3ª PARTE)

43. UM ÚLTIMO BEIJO EM PARIS

44. OLYMPUS: LIVRO III – APHRODITE, APOLLO, EREBUS, GAIA, HERA E ZEUS

45. DE QUAL SONHO MEU VOCÊ FUGIU?

46. O LABIRINTO NO FIM DO POEMA

47. CADÊ O AMOR QUE ESTAVA AQUI?

48. OS RIOS QUE FOGEM DO MAR

49. ÚLTIMOS VERSOS PARA UM PERDIDO AMOR

50. OLYMPUS: LIVRO IV – PANTHEON

51. AH, POESIA, O QUE FIZESTE?

52. UM VERSO SUICIDA

53. ELA SE FOI, E NEM DEIXOU MENSAGEM

54. A NAVE QUE TE LEVOU PARA LONGE

55. EROTIQUE 5

56. O LADO NEGRO DA POESIA

57. UM OLHAR VINDO DO INFINITO

58. APENAS UM CONTADOR DE HISTÓRIAS

59. RÉQUIEM PARA UM AMOR NAUFRAGADO

60. OLYMPUS: LIVRO V – THESSALIA

61. POETICAMENTE TEU

62. AQUELA NOITE DO ADEUS

63. PASSOS QUE SE AFASTAM NA NOITE

64. FRAGMENTOS DE UM SONHO QUE PASSOU

65. OLYMPUS: LIVRO VI – PARTHENON

66. PASSAGEM PARA A SAUDADE

67. A PORTA DA SOLIDÃO

68. NUNCA MAIS TEUS BEIJOS

69. EROTIQUE 6

70. CIRANDA POÉTICA

Alguns trechos:

“Então, quem sabe, em algum dia qualquer do futuro, / Quando alguém resolver revisar o que eu tenha escrito, / Para decifrar os mistérios dessa inspiração que herdei, / Descubra que todas as histórias que jamais te contei / Não passam de versos de amor que transfiguro, / Para recontar que tenho por ti esse amor infinito?”

“E nessa guerra onde o amor morreu, / Vítima inocente desse seu breu, / Tudo o que quero é enterrar meus versos, / Que andam por cemitérios dispersos, / Sem rimas ou qualquer esperança,”

“Sou um humilde artesão / A construir esses versos / Que esculpo com precisão / Nos quais exploro universos / Que só existem em minha imaginação”

“Desde então, fiquei tão triste, / Que nem sei se a felicidade existe, / Pois eu levava uma enorme fé em nós, / E agora me lembrei que nem sei desatar nós!”

“Por que fico pensando nela, não sei, / Se nem a vejo, há muitos anos, / Mas da ausência dela, jamais me curei, / Para sempre imerso nesses pesadelos tiranos.”

“Esses mantras que me sussurras / Dizem-me tudo que preciso saber, / Quando meus lábios empurras, / À fonte inesgotável de teu prazer.”

“Não passou de fogo-fátuo / O que em seus olhos luzia, / E eu, tolo e insensato, / Pensei que era Poesia!”

“Mas deixei guardados numa caixa / Os poemas que para ti escrevi, / Num estilo que hoje não se encaixa, / Nesse futuro que nunca previ.”

“Ameace mandar-me para a Sibéria, / Ou talvez para uma base na Lua, / Diga que está farta dessa miséria, / E que nunca mais eu a verei nua!”

“Nessas memórias confusas / Que tenho de meu passado, / Para as tuas, preciso de uma senha. / Talvez sejas uma de minhas musas, / Talvez eu tenha te amado, / Ou talvez não tenha,”

“Em teus sonhos eu me achei, / Mas é contigo que sou de verdade, / E somente em teu amor encontrei / O que chamam de felicidade...”

“E, em algumas noites em que não aparece, / Sinto falta de sua espectral presença, / Um vulto que com você se parece, / E essa voz a aplacar essa saudade imensa...”

“Meu amor por você não é ficção, / É fricção! / Não é um verbete da Wikipédia, / Mas uma enciclopédia!”

“Será que num futuro distante / Seguiremos nessa relação delirante, / Um para o outro somente, / A nos devorarmos mutuamente?”

“E, nesta Galáxia obscura, / Restará de nossa linda aventura / Apenas mais um minúsculo mundo, / A deixar marcas no espaço profundo / De nossas humanas recordações / E de tantas perdidas ilusões...”

“Essa nostalgia que sinto / Cada vez que em você eu penso, / Acho que é por causa do instinto, / Alma gêmea desse vazio imenso!”

“Um sorriso abre portas trancadas, / Escancara janelas, / E no silêncio das madrugadas / Inspira as canções mais belas!”

“Em teus olhos palpitam / Espetaculares cometas, / Que nesse olhar orbitam, / Vindos de distantes planetas,”

“Uma lágrima vez ou outra cai em meu copo, / Juntando-se ao que nele resta de cachaça, / Vou passear na chuva, e enquanto me ensopo, / Uma bala perdida na noite raspa minha couraça!”

“Essa sua fantasia de pirata / Convida-me a desbravar os seus mares / Atrás de um tesouro de ouro e prata / Que me leve para todos os lugares”

“Nunca mais tinha ouvido falar / Em trapaças no amor, / Até alguém me apresentar / A teu olhar sedutor!”

“Esse esqueleto que me sustenta / Anda precisando de uns reparos, / Pois sofreu uma queda violenta, / Por causa de alguns disparos!”

“Ela se sentava quase ao meu lado, / E eu a amava em silêncio inquieto, / Aqueles amores da juventude, / Quem nunca teve, não teve passado, / Mas a olhava sem que notasse, / Com um olhar de paixão repleto,”

“Nossa canção de amor pintou o sete, / Criou corpo, e escapou pelos ares, / Espalhou-se como vírus pela internet, / E se foi, para visitar outros mares!”

“Reflito sobre essa enorme desigualdade, / No muro que se ergue entre ricos e pobres, / Na devassidão que há na sociedade, / Na corrupção sem fim, por motivos nada nobres.”

“Se ainda não me achar, vá até Machu Picchu, / Entre as ruínas de uma civilização que foi um colosso, / E quem sabe, talvez por um estranho capricho, / Deixe você afinal cravar esses dentes em meu pescoço?”

“Foi uma transa louca, / Onde sua voz rouca / Tantas vezes meu nome gritou, / E sua boca, com todo requinte, / Minha fome aplacou, / Mas na manhã seguinte, / Foi-se embora e nunca voltou!”

“Não me abandones / Antes de em meus lábios deixares / Amostras de tua língua onde brotam ciclones / E de teus rios invadirem meus mares...”

“Eu sem você nada tenho, / Não sou chuva nem temporal, / Nem meu bom humor eu mantenho, / Fico a oscilar entre o bem e o mal!”

“Em teus olhos transitam / Enfeitiçados açoites, / E quando me vês pelas noites / Teus órgãos por mim palpitam!”

“As palavras duras que vociferas / A cada vez que sorrindo me vês, / Serão porque liberto tuas feras, / Ou amor não correspondido, talvez?”

“E selvagemente nos amamos, / Como se a hora da partida não viesse, / Ou como se amanhã não houvesse, / Mas sempre chega a hora do adeus, / Tão triste a te afastares dos olhos meus, / Até chegar afinal o próximo dia, / Em que venhas alimentar minha Poesia...”

“Sem você, não tenho função no mundo, / Não passo de um espectro sem reflexo, / Uma sombra emersa do submundo, / Um triste verso sem rima nem nexo!”

“É tarde demais para sermos felizes, / Não era esse o roteiro, / O amor nos deixou cicatrizes / Para doerem o tempo inteiro!”

“Devore-me / Com seus lábios de veludo, / Implore-me, / Confesse que sou o seu escudo!”

“E no meio delas encontrei / Um retrato de um beijo roubado, / Que de nós dois alguém tirou, / Um doce beijo molhado, / Cuja lembrança me abalou!”

“Nessa estrada / Comprida / Chamada / De vida / Corações / Sedentos / Guardam paixões / E lamentos”

“Confesse que sobre mim você se jogou / Sem usar o seu kit de maquiagem / E que toda a paixão que você revelou / Não passava de uma infame molecagem”

“Até quando conseguiremos esconder esse amor proibido, / E fazer de conta que não somos, um pelo outro, loucos, / Por quanto tempo ainda poderemos estancar nossa libido, / Como calar essa paixão que nos destrói aos poucos?”

“Não reconheço nem mais meu quarto, / Que era o lugar feliz onde eu dormia, / Será que por acaso sofri um infarto, / E o maldito funk tomou o lugar da Poesia?”

“Sob uma rua / Nua / Dessa cidade / Vaga essa lua / Crua / De saudade”

“Que feitiço foi que me jogaste, / Que me deixou assim de quatro, / Sob o teu inteiro domínio, / E contigo nem vejo o tempo passar? / Como foi que me enfeitiçaste, / E virei marionete numa peça de teatro, / Aprisionado pelo teu fascínio, / Logo eu, que nunca conseguira amar?”

“Acabei indo parar no psiquiatra, / Que me diagnosticou doido de amor, / E disse que meu coração que te idolatra / Não se curará desse sentimento opressor!”

“Os jogos de tronos não mais me atraem, / Torço para que Castle seja chutado pela Beckett, / Olho as luzes do crepúsculo que caem, / O mentalista foi vencido por um astro do críquete!”

“E ao raiar a manhã seguinte, / Olhe-me bem no fundo do olhar, / Amemo-nos de novo com todo o requinte, / E compartilhe para sempre de meu sonho de amar...”

“Essas curvas abundantes, / Que percorro com o olhar encantado, / E depois volto a percorrer devagar, / Têm vários acidentes topográficos: / Planícies, morros, colinas, / Com picos túrgidos e delirantes, / E um vale que descubro orvalhado, / Apenas por estares aqui ao meu lado,”

“Não sei se eu me procuro / Ou se te acho, / E levo a um quarto escuro / Ou a um riacho!”

“Mas o que mais me chateia, em cada sonho maluco, / É que, embora saiba que nenhum sonho me destruirá, / E que, mesmo levando tiros, jamais me machuco, / Por que Morpheus só me leva a lugares onde você não está?”

“Numa fria manhã no final do Inverno, / Ela chegou para mim sorrindo, / Então vesti o meu melhor terno, / E fui me encontrar com aquele sorriso lindo!”

“Drive me crazy / All through the night, / Use your Waze / To discover my ways, / And when you see my eyes' bright, / Say you will love me for always”

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 43,41

Ebook (PDF)
R$ 17,22

Tema: Poesia, Literatura Nacional, Entretenimento Palavras-chave: erotismo, ficção, lirismo, poemas, poesia, reflexão, romantismo

Características

Número de páginas: 109
Edição: 1(2020)
Formato: A5 148x210
ISBN: 979-86-445-7545-9
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Couche 90g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.